21 novembro 2005

Otite Serosa

Na noite de sexta-feira houve reunião de pais da sala do Afonso. E, como era sexta-feira, o Afonso foi jantar aos manhãnhinhas e ficou lá a dormir. Por volta das 02h20 da madrugada (já eu e o pai estavamos no 2º sono) toca o meu telemóvel. Era a avó Natália. O Afonso acordara há cerca de uma hora e estava desde aí a chorar, a dizer que doía o ouvido e a pedir para os avós telefonarem para nós, porque ele queria a mãe, queria ir para casa. Ok, dá-lhe Brufen que eu vou já buscá-lo! ...Ops, lembrei-me que tenho o carro na reserva. Afinal vai o pai. Lá foi. Chegou já muito bem disposto, a dizer que já não doía. Foi para a cama. Passado cerca de hora e meia acorda: a chorar, a dizer que dói, dói muito o ouvido. Trago-o para a nossa cama, dou-lhe colo ams não há nada que o acalme. Lá vai o pai à farmácia. Traz o antibiótico. Passou uma noite infernal, coitadinho... cheio de dores a acordar a cada duas horas. No sábado lá acordamos todos por volta das 12h30. Ligo à pediatra. "Não me diga que o seu menino está outra vez doente!?" Bingo! (De outra forma não a incomodaria a um Sábado, ligando-lhe para casa, está claro) Ok! Faça o antibiótico, páre a vacina e leve-o a um otorrino. Hoje (segunda-feira) lá consegui uma consulta para a tarde. Vou buscá-lo mais cedo à escola. "Vá Afonso, vamos. Temos de despachar para ir ao doutor" "Poquê?!" "Por causa do dói-dói do teu ouvido" "Mas já não dói, mãin!" "Pois, mas doeu-te muito e o doutor quer ver o teu ouvido" "Á doutoiena!?" "Não, é outro doutor!" E lá foi, todo contente porque ia ao doutô. Portou-se muito bem, deixou ver a garganta, o nariz e os ouvidos (ao meu colo, claro... e comigo a tentar transformar aquele momento em algo de muito interessante: "Olha Afonso, este doutor tem uns aparelhos muito mais giros que os da Dra. Helena. Já viste, olha aquele com uma luz. Muito giros, não são!?" E ele lá respondia, com um risinho nervoso.) Diagnóstico: otite serosa (com ss, não é com cê!) Audição reduzida (mostrada num aparelho: "Está a ver?! Está um bocadinho desviada... Mas nada de preocupante". "Vamos aproveitar que está sob o efeito do antibiótico e vai fazer esta medicação. Volta cá daqui a um mês. Se tiver alguma recaída lá terá de parar a medicação e falar comigo ou com a pediatra: quem encontrar primeiro" Espero que ele se aguente! Já estou a dar completamente em doida com este estado que se arrasta desde finais de Setembro: antibiótico/semana de descanso/antibiótico.

0 Comentários:

Publicar um comentário

Subscrever Enviar feedback [Atom]

<< Página inicial